Ciência na estufa – mãos na terra!

Na sequência do artigo Permitir às crianças o contacto com as… Sementes, vimos agora apresentar novas atividades igualmente interessantes e das quais as crianças gostarão imenso. Estão relacionadas com a germinação de sementes e também com o desenvolvimento das plantas. Assim, recorrendo a este conjunto designado por “Ciência na estufa”, da Clementoni, permitiremos aos miúdos colocar as mãos na terra, literalmente!

Quais as orientações dos documentos emanados pelo Ministério da Educação relativamente a estes conteúdos?

Organização Curricular e programas do 1.º CEB, para Estudo do Meio

Aprendizagens Essenciais de Estudo do Meio, para o 3.º ano de escolaridade

Educação inclusiva

Segundo o Decreto-Lei n.º54/2018, os alunos abrangidos pelas medidas adicionais beneficiam de adaptações curriculares significativas.

Estas adaptações implicam a introdução de outras aprendizagens substitutivas que não fazem parte da matriz curricular-base. No entanto, devem estabelecer objetivos globais ao nível dos conhecimentos a adquirir e das competências a desenvolver, de modo a potenciar a autonomia, o desenvolvimento pessoal e o relacionamento interpessoal.

Desta forma, este conjunto vem ao encontro de uma das áreas muito trabalhadas nas escolas – a Jardinagem.

Fundamentação teórica

Em Biologia, a germinação de sementes corresponde às fases iniciais de crescimento de uma planta a partir de estados de vida latente. Analogamente, crescimento significa aumento do número de células de um indivíduo e, consequentemente, do tamanho e complexidade do organismo.

Para verificarmos a germinação são necessárias condições adequadas de humidade, temperatura e oxigénio. Além disso, a semente, que possui no seu interior um embrião e reservas nutritivas, tem que estar em boas condições.

Ao contrário do que muitas pessoas pensam, a luz não é necessária para a germinação de sementes, não obstante, é um fator essencial para o desenvolvimento da planta. A luminosidade permite pois a ativação da clorofila e a planta começa a produzir o seu próprio alimento. Por produzirem o seu próprio alimento, dizemos que as plantas são seres autotróficos.

Ciência na estufa

Este conjunto contém uma divertida estufa transparente com um telhado e sistema de rega, variados utensílios de jardinagem, vasos, pastilhas de terra, sementes e um manual de instruções. O sistema de irrigação é inovador, permitindo poupar a água, interligado com os vasos e separado da área de germinação. De facto, estamos perante um verdadeiro laboratório botânico, que possibilita semear sementes e observar o crescimento de diferentes plantas.

 

Portanto, propomos que as crianças coloquem sementes nas pastilhas de terra húmida, com o objetivo de observar a sua germinação, ao fim de algum tempo. A germinação inicia-se sempre pelo aparecimento da radícula, que é a futura raiz. A partir dessa raiz desenvolvem-se, à posteriori, as raízes secundárias. Assim, a jovem planta pode agarrar-se ao solo e absorver a água e os sais minerais para o seu crescimento. Desta forma, as crianças podem observar a germinação de diversas sementes; os fatores que afetam a germinação; o aparecimento da jovem planta; as partes constituintes da planta; e os fatores que afetam o crescimento da planta.

Para concluir, é indispensável, nestas idades mais precoces, a observação dos fenómenos. Decerto, com as atividades práticas, possibilitaremos aos mais pequenos que organizem ideias, formem desde já conceitos científicos (por exemplo, planta; germinação; crescimento; necessidade de água, luminosidade…) e fiquem com a noção de tempo (aguardar pela germinação e pelo impacto dos diferentes fatores no desenvolvimento da planta).

Vamos lá pôr as mãos na terra!

4 comentário em “Ciência na estufa – mãos na terra!

  1. Arlindo Rocha comentou:

    Que excelente sugestão. Muito bem fundamentado teoricamente e o conjunto parece muito completo. Parabéns

  2. Diana Cortes comentou:

    Muito interessante este artigo e a inclusão deste tipo de atividades nas unidades curriculares das crianças de forma a que possam aprender de forma criativa e divertida.
    Parabéns pelos artigos sempre muito bem redigidos e com temas interessantes. Parabéns pela iniciativa 👏

  3. Carlos Faria comentou:

    Muito bom! Tenho acompanhado as publicações e fico cada vez mais interessado. Mais um texto com correção científica. Parabéns.

  4. Ana Lacerda comentou:

    Simplesmente espetacular. Vou adquirir este conjunto e fazer as atividades com os meus alunos. Torna muito mais fácil a realização das experiências propostas no programa curricular. Grata pela partilha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *